Mensagem institucional

O projeto denominado Academi@ STEM Mangualde resulta de uma candidatura da Câmara Municipal de Mangualde a um projeto promovido pela CIM Viseu Dão Lafões, "Promoção do Sucesso Educativo Viseu Dão Lafões", inserido numa aposta direcionada para “Apoiar os Contextos Educativos e Práticas Pedagógicas de Sucesso”. Neste quadro, a Academi@ STEM Mangualde visa apoiar o trabalho em contexto escolar, promovendo a utilização de novas ferramentas no âmbito das TIC, incentivando o trabalho de projeto, potenciando a realização de trabalho colaborativo e interdisciplinar e a introdução de novas metodologias de aprendizagem. Em linha com o referido, pretende-se promover o sucesso, inclusão e uma melhoria da qualidade da aprendizagem, procurando desenvolver um trabalho ao nível das áreas das Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática que vise a integração dos saberes disciplinares, quebrando, se necessário, a “disciplinarização” institucionalizada. Esta academia tem como premissas i) o desenvolvimento curricular, de forma articulada, com vista à promoção das Aprendizagens Essenciais e do desenvolvimento de competências do Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória, ao longo do Ensino Básico, ii) a formação de professores assente nas estratégias de ensino-aprendizagem inerentes às atividades STEM desenvolvidas, sobretudo as que se suportam em ferramentas e serviços online/digitais, iii) a criação de eventos de divulgação do trabalho realizado e de reflexão de práticas letivas, numa lógica de disseminação/discussão de atividades concretas, focando as diferentes dimensões da mesma, iv) integração do tecido empresarial, particularmente parceiros do projeto, no desenvolvimento e dinamização de atividades em contexto real para alunos de diferentes anos de escolaridade, v) apresentação de propostas para discussão da organização do trabalho escolar, nomeadamente, a criação de equipas de trabalho docente que potenciem a articulação curricular e a elaboração de blocos horários que promovam uma melhor articulação das diferentes áreas do saber.

Neste enquadramento, o trabalho desenvolvido na Academi@ STEM, especificamente por professores, colaboradores e decisores políticos e pedagógicos, pretende ser, também, um referencial para o planeamento de projetos com um forte cariz local, valorizando o desenvolvimento de atividades enquadradas curricularmente e que envolvem uma rede de colaboradores desde empresas diversas, entidades locais até a instituições de ensino superior. É uma obra que, numa segunda parte, apresenta propostas concretas de atividades interdisciplinares, desde o pré-escolar até ao 9.º ano, que se espera ser um incentivo ao desenvolvimento de estratégias de ensino-aprendizagem mais próximas das orientações atuais e da promoção de competências essenciais para o futuro dos alunos. 

Mensagem do Vereador da Educação/Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mangualde

Rui Costa

Numa altura em que se intensifica a relação dos municípios com a educação por via da transferência de competências, a qual permitirá uma ação mais próxima e mais concertada com os diversos agentes educativos, é um grande orgulho podermos contar na nossa comunidade com um projeto como a Academi@ STEM, o qual, desde o primeiro momento, mereceu todo o apoio da autarquia de Mangualde e de vários parceiros que, reconhecendo a pertinência deste projeto, têm acompanhado o seu desenvolvimento e apoiado as suas ações.  

A criação desta academia pressupôs desde a sua génesis, em abril de 2018, a contratação de dois técnicos a tempo inteiro, um mais focado na parte didático-pedagógica (desenvolvimento curricular, coordenação,…) e outro direcionado para o apoio a toda a logística que a implementação das atividades exige (tecnológicas, materiais,…) e toda a comunicação relacionada com o trabalho desenvolvido no projeto. Adicionalmente contratou-se um consultor externo que auxilia e contribui com informação, ideias, reflexões e avaliação essencial para o trabalho a desenvolver na Academi@ STEM. 

Para aportar uma outra dimensão ao projeto, facultar-lhe uma maior localização do trabalho a desenvolver e contextualizar as atividades STEM, ligando à realidade o trabalho dos alunos, convidaram-se diversos parceiros para integrar o projeto, particularmente, Patinter, CBI e MangualTécnica. A estes, adicionaram-se outros no ano letivo seguinte. Para além destes, convidou-se uma instituição do ensino superior, a Universidade Católica Portuguesa de Viseu, para contribuir para o enriquecer de melhores atividades STEM, com possibilidades de levar os nossos alunos às suas instalações e, deste modo, usufruírem de outros meios laboratoriais e científicos. Adicionalmente, e por se considerar fundamental que as entidades nacionais ligadas à educação pudessem acompanhar, avaliar o impacto do projeto na educação e contribuir na medida do possível, convidou-se a Direção-Geral da Educação. 

A avaliação que fazemos no momento atual das mais-valias do projeto para o concelho são as melhores e por isso merece-nos uma continuada aposta na Academi@ STEM de Mangualde, por exemplo, através da compra de novos materiais necessários para práticas cada vez mais inovadoras, assegurando o transporte dos alunos sempre que se realizam saídas de campo ou visitas e garantindo a continuidade dos recursos humanos contratados. 

 Acreditamos que o trabalho desenvolvido e partilhado pode auxiliar outros municípios e entidades com responsabilidade educativas a refletir e a conceber propostas e projetos educativos sustentados, sustentáveis e com impacto direto nas escolas, professores e alunos, e na comunidade educativa de um modo geral. 

Mensagem do Diretor do Agrupamento de Escolas de Mangualde

Agnelo Figueiredo

A nossa Academia STEM tem sido um nicho de qualidade das Escolas de Mangualde. Conjugando a abordagem típica das ciências, das tecnologias, das engenharias e matemática tem proporcionado aos alunos verdadeiras aprendizagens significativas, ultrapassando a simples compreensão dos factos e das coisas, para atingir o nível da relação, da análise e da síntese do conhecimento. 

O próximo passo é decisivo: o alargamento, por contágio de práticas, a mais e mais turmas, no sentido da generalização da metodologia ao universo dos nossos alunos. Para isso, espera-se que este caderno de atividades seja um precioso contributo, não apenas para os professores do Agrupamento de Escolas de Mangualde, mas para todos aqueles que pretendem inovar e trabalhar de forma articulada as áreas mencionadas. 

Mensagem do Diretor do Centro de Formação EDUFOR

José Miguel Sousa

O envolvimento do EduFor no processo que se documenta através desta publicação, começou em 2016 quando a Câmara Municipal de Mangualde, através do então vereador da educação, procurava investir em áreas de forte impacto no sucesso escolar dos alunos e passíveis de cofinanciamento pela Comunidade Intermunicipal de Viseu Dão Lafões, no âmbito do Plano Inovador de Promoção do Sucesso Educativo, destinado aos alunos do Agrupamento de Escolas de Mangualde. 

Embora os princípios da educação STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics) fossem já conhecidos há décadas, só mais recentemente é que a investigação começara a reconhecer a importância desta abordagem, sendo, à época, ainda pouco trabalhada nas escolas portuguesas. Era este o panorama quando o Município de Mangualde, o Agrupamento de Escolas de Mangualde (AEM) e o Centro de Formação EduFor iniciaram, em abril de 2018, um projeto inovador e diferenciador - a Academi@ STEM de Mangualde - para promover a educação nas áreas das Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, de forma integrada e agregadora, tendo como objetivo central a melhoria das aprendizagens dos alunos, com ênfase particular nas competências para o século XXI. 

Por coincidência, ou destino, o projeto desenvolvia-se, no AEM, num tempo paralelo ao da generalização do Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, que viera impulsionar a Autonomia e Flexibilidade Curricular numa Escola desejavelmente inclusiva e promotora do Perfil dos Alunos à Saída de Escolaridade Obrigatória. 

No preâmbulo do referido Decreto-Lei lê-se que a “A realização de aprendizagens significativas e o desenvolvimento de competências mais complexas pressupõem tempo para a consolidação e uma gestão integrada do conhecimento, valorizando os saberes disciplinares, mas também o trabalho interdisciplinar, a diversificação de procedimentos e instrumentos de avaliação, a promoção de capacidades de pesquisa, relação, análise, o domínio de técnicas de exposição e argumentação, a capacidade de trabalhar cooperativamente e com autonomia”. E é deveras interessante verificar como o enquadramento e a estrutura organizacional da Academi@ STEM de Mangualde comungavam já daqueles princípios. Na realidade, aquilo em que este projeto se distinguia e distingue é, justamente, pela forma integradora como aborda o currículo, no que toca às disciplinas envolvidas, e pela forma como apela a metodologias e abordagens pedagógicas facilitadoras do envolvimento dos alunos no processo de construção da sua própria aprendizagem. 

A Academi@ STEM de Mangualde veio demonstrar, pela sua prática, que é possível operacionalizar os princípios do Decreto-Lei n.º 55/2018 e desenvolver o currículo aproximando-o, e à comunidade educativa, dos vários contextos, num trabalho de parceria entre as diversas instituições da sociedade, desde empresas a instituições universitárias. Destacou-se, ainda, pelo envolvimento dos docentes que formam as equipas pedagógicas do projeto em dinâmicas sustentadas em práticas colaborativas, designadamente através do trabalho articulado em reuniões de trabalho presenciais e online. 

É hoje um facto que a Academi@ STEM de Mangualde implementa, promove e desenvolve com os alunos práticas pedagógicas promotoras da qualidade das aprendizagens, do sucesso escolar e da autonomia dos alunos, ao recorrer a metodologias ativas de aprendizagem. Contribui também, desta forma, como já se referiu, para a implementação da Autonomia e Flexibilidade Curricular (AFC), uma vez que as dinâmicas pedagógicas assentam em “trabalho de natureza interdisciplinar e de articulação disciplinar, operacionalizado preferencialmente por equipas educativas que acompanham turmas ou grupos de alunos.” 

Nessa medida, têm sido privilegiadas metodologias que propiciam aprendizagens significativas, sustentadas no envolvimento dos alunos na construção do conhecimento e facilitadoras de uma crescente autonomia: metodologia de projeto; espaços de aprendizagem colaborativa; trabalho de grupo com recurso à utilização de várias fontes de pesquisa e diferentes tarefas com grau de complexidade crescente; articulação curricular e interdisciplinar; metodologia de “Sala de aula invertida”; utilização e exploração de Ambientes Educativos Inovadores, todas fortemente apoiadas em tecnologias educativas. 

As atividades partilhadas são apenas uma mostra do que tem sido produzido desde abril de 2018, mas que desejamos suficiente para vos deslumbrar e atrair para este mundo novo na nova escola.

Mensagem da Direção-Geral da Educação

DGE

Atualmente, o extraordinário desenvolvimento da ciência e da tecnologia tem vindo a gerar um significativo impacto nas pessoas, na sociedade, no ambiente e, forçosamente, na educação. Somos constantemente confrontados com questões de natureza técnicocientífica com implicações éticas, sociais, económicas e políticas. Muitas dessas questões, ao prenderem-se com a segurança dos seres vivos e do ambiente, assumem uma dimensão particularmente sensível, pelo que implicam decisões políticas complexas, que não podem deixar de envolver, numa perspetiva democrática, todos os cidadãos. Torna-se então fundamental desenvolver uma literacia científica que permita a todos participar, de forma ponderada e esclarecida, na resolução das questões, cada vez mais prementes, que envolvem a ciência e a tecnologia.

Face aos novos desafios à educação, as atuais políticas educativas, espelhadas nos princípios constantes do Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, contemplam a promoção do ensino prático/experimental, a contextualização das aprendizagens e a abordagem integrada de conteúdos, numa perspetiva de interdisciplinaridade, de acordo com o preconizado no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória (PA). Por outras palavras, perfilha-se a ideia de que a “escola, enquanto ambiente propício à aprendizagem e ao desenvolvimento de competências, onde os alunos adquirem as múltiplas literacias que precisam de mobilizar, tem que se ir reconfigurando para responder às exigências destes tempos de imprevisibilidade e de mudanças aceleradas” (PA). Neste sentido, o PA que se constitui como matriz comum e nacional, promove o desenvolvimento de competências de natureza investigativa, convocando, para o efeito, o conhecimento científico, a curiosidade intelectual, o espírito crítico e interventivo, a criatividade e o trabalho colaborativo. Na verdade, é através do processo investigativo, em todas as suas fases, que os alunos podem compreender a forma como a ciência se constrói, como evoluiu e como influencia e é influenciada pela sociedade. Só assim se consegue preparar os jovens para uma intervenção verdadeiramente esclarecida e consciente nas decisões relativas às questões de índole sócio-científica que, cada vez mais frequentemente se colocam. Esta é, aliás, a perspetiva subjacente às Aprendizagens Essenciais da área das ciências e da matemática.

Neste contexto, é com o maior apreço que a DGE vem acompanhando e apoia o Projeto Academi@ STEM Mangualde, em cujo trabalho esta publicação se centra, congratulando-se com a participação e o empenho da escola, professores e alunos que este projeto reflete. Esta iniciativa representa um importante contributo para a promoção de um ensino das ciências que se pretende contextualizado e assente em trabalho colaborativo dos professores, o que implica partilha, construção coletiva e divulgação, junto da comunidade local mas também, num contexto mais alargado, a públicos diversos. O projeto Academi@ STEM Mangualde, ao apoiar contextos educativos e práticas pedagógicas de sucesso, promovendo a inovação, utilizando novas metodologias de aprendizagem, recorrendo a ferramentas digitais, incentivando o trabalho de projeto, potenciando a realização de trabalho colaborativo e interdisciplinar, promove significativamente o ensino e a aprendizagem nas áreas STEM, defendidos pelo Ministério da Educação, em conformidade com o estabelecido no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e indo ao encontro das Aprendizagens Essenciais da área das ciências e da matemática.

É também de louvar a partilha de boas práticas que esta publicação representa, quer ao nível da fundamentação em termos de perspetivas subjacentes a todo o trabalho desenvolvido, essencial para a sua compreensão por parte dos leitores/professores, quer ao nível da utilidade que um manual prático deste tipo representa.

Iniciativas desta natureza representam um valor acrescido para estimular o interesse e a motivação dos jovens pela aprendizagem das ciências, desenvolvendo talentos e fomentando a escolha de carreiras científicas, tendo também reflexos positivos no trabalho dos professores, ao contribuir para o incentivo de práticas inovadoras.